Campo Grande / MS Segunda-feira, 27 de Setembro de 2021

Escolha sua cidade

Campo Grande Água Clara Alcinópolis Amambai Anastácio Anaurilândia Angélica Antônio João Aparecida do Taboado Aquidauana Aral Moreira Bandeirantes Bataguassu Batayporã Bela Vista Bodoquena Bonito Brasilândia Caarapó Camapuã Caracol Cassilândia Chapadão do Sul Corguinho Coronel Sapucaia Corumbá Costa Rica Coxim Deodápolis Dois Irmão do Buriti Douradina Dourados Eldorado Fátima do Sul Figueirão Glória de Dourados Guia Lopes da Laguna Iguatemi Inocência Itaporã Itaquiraí Ivinhema Japorã Jaraguari Jardim Jateí Juti Ladário Laguna Carapã Maracaju Miranda Mundo Novo Naviraí Nioaque Nova Alvorada do Sul Nova Andradina Novo Horizonte do Sul Paraíso das Águas Paranaíba Paranhos Pedro Gomes Ponta Porã Porto Murtinho Ribas do Rio Pardo Rio Brilhante Rio Negro Rio Verde de Mato Grosso Rochedo Santa Rita do Pardo São Gabriel do Oeste Selvíria Sete Quedas Sidrolândia Sonora Tacuru Taquarussu Terenos Três Lagoas Vicentina

Notícias / Política

30.08.2021 às 07:19 - Atualizada em 30.08.2021 às 07:29

Citado na CPI, Tolentino diz que não é sócio oculto do FIB Bank

Em nota o advogado disse que estava internado em um hospital de São Paulo durante as negociações da vacina Covaxin

IG

O advogado Marcos Tolentino nega ser sócio oculto do FIB Bank, empresa responsável por emitir uma carta-fiança à Precisa Medicamentos, cujo documento foi apresentado ao Ministério da Saúde para cumprir uma das etapas da negociação da vacina indiana alvo da CPI da Covid. O documento afiançava o valor de R$ 80,7 milhões, equivalente a 5% do R$ 1,6 bilhão do contrato.

O  presidente do FIB Bank, Roberto Pereira Ramos Junior, foi ouvido pela Comissão nessa quarta-feira (26) para esclarecer possíveis irregularidades na negociação da vacina Covaxin com o governo.
 

Em nota o empresário afirmou que "diversas fake news" tentam vincular indevidamente seu nome às negociações de imunizantes pela sua proximidade ao líder do governo Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara, deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) .

No último sábado (21), o advogado também negou ter participado de um suposto jantar com o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello . Segundo publicação da revista Piauí, o evento teria acontecido em 28 de maio de 2020 e tinha como objetivo apresentar o general à Precisa Medicamentos.

Ainda segundo o texto enviado ao iG , Tolentino disse que estava em coma no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo — onde ficou internado por quase 90 dias devido a complicações da Covid-19 —, durante o período das negociações. "O Advogado inclusive forneceu os meios de imprensa documentos que atestam e comprovam que ele foi sócio da Benetti Prestadora de Serviços há 12 anos atrás, controladora da empresa acionista do FIB", afirmou em nota.


Comentários
informe o texto a ser procurado
Voltar ao topo